segunda-feira, 21 de setembro de 2009



Em 2008, não sei precisar o mês, um grande amigo, companheiro de cursos e de algumas produções, contou-me sobre o projeto que sonhava para a conclusão de sua jornada universitária: um curta metragem oriundo de uma adaptação dos quadrinhos.

Até então sugeri-lhe HQs, emprestei obras e ofereci apoio. Testemunhei elucubrações, planejamentos frustrados, expressões de ansiedade, preocupação e medo.
Então, há pouco mais de um mês chegou um “AGORA VAI” na minha caixa de e-mails e meio que sem querer querendo protagonizei uma das melhores experiências da minha vida.

Estou falando de “Um Catálogo de Sonhos”, curta metragem do gênio neonato Micael Bretas, adaptada da HQ homônima de José Carlos Fernandes.
Promessa de grandes realizações, o obstinado Micael foi capaz não só de mobilizar família e amigos em prol de um objetivo comum, mas de capitalizar talentos num parto coletivo de uma obra cinematográfica.
Ao longo do processo neste um mês e meio, elementos impensáveis para uma modesta produção de guerrilha, mero TCC, mostraram-se interessantemente realizáveis.
Eu, paulista morando há 32 anos em São Paulo, até então nunca visitara o interior do monumento no marco zero da cidade. Durante as filmagens, além de testemunhar uma missa em latim com cantos gregorianos e etc., participei das gravações dentro da cripta da Catedral da Sé, na companhia dos senhores Regente Feijó e Cacique Tibiriça.

Dormi no alto da torre de uma igrejinha em Serra Negra, conheci as instalações desativadas de uma casa de detenção, tremi com o frio da madrugada nos telhados das industrias Selamil, corri e saltitei freneticamente nos estúdios de cromaqui da TV PUC, ...
Enfim, aprendi que mesmo longe de Hollywood, sem apoio do governo ou de empresas multimilionárias, mas com esforço, bons amigos e uma mãe dedicada é possível fazer cinema de qualidade e conteúdo.
É preciso nomear os méritos de equipe e elenco: as dinâmicas produtoras Marcela e Marilia; o irreverente assistente de produção/direção Thiaguinho; o homem do som e de boas histórias Cezar Babosa; a altiva assistente de arte e continuista Carla; a fotógrafa de stills e apoiadora Fernanda; e Débora, incondicionalmente e imprescindível mãe.

Tive a honra de contracenar com um elenco de notáveis: o renomado ator, diretor e roteirista Maurício Guilherme; o ator e locutor pioneiro das net-novelas Manoel Lima; o grande ator de comerciais e humorista André Jurado; o dedicado ator e promotor de eventos Fabiano Martins; e as gratas surpresas vindas direto da USP, David Mathieson (ator e sociólogo) e Bruno Costa (ator e geógrafo).


É claro que faltaram lencinhos umedecidos e massagistas tailandesas, mas tirando isso, foi uma produção excelente, acima do que qualquer um poderia imaginar. Orgulho-me imensamente de fazer parte dessa equipe e agradeço infinitamente a oportunidade.

Breve, Um Catálogo de Sonhos, num cinema perto de você!!!

2 comentários:

Andre Jurado disse...

concorco com tudo o q vc disse! pra mim tb foi mto gratificante fazer parte desse curta com essa renca d notáveis profissionais!
uhuu! tb to ansioso pra v o resultado! e valeu pelo elogio ein! hehe
abrassssssssss

thiago disse...

Grande Renato,
Foi muito legal e uma honra este curta metragem com vocês.
Equipe e atores 10!!!
Abraço